Arco Íris

Revista Elle da Hungria coloca pais gays na capa, desafiando a política anti-LGBTQ+ do governo

Titilando a direita raivosa...

A versão húngara da revista Elle colocou um casal de pais homossexuais e seu bebê na capa, em uma atitude desafiadora em meio ao agravamento do preconceito governamental anti-LGBTQ+ do país. O casal, o restaurador húngaro Hubert Hlatky Schlichter e seu marido neurocirurgião Laszlo Szegedi, são fotografados beijando carinhosamente a cabeça de sua filha bebê chamada Hannabel.

A Elle Hungria declarou que sua intenção era “contribuir para a aceitação das famílias arco-íris” e ajudar a publicação a “fazer campanha em todo o país pelo amor e por todas as formas de família”. A direção da revista continuou: “Toda criança merece crescer em um ambiente seguro, carinhoso e solidário, e ninguém pode impedir isso com base na identidade de gênero ou na orientação sexual de seus pais”.

Na edição, os dois pais falam abertamente sobre a discriminação que enfrentaram na Hungria, especialmente quando deram as boas-vindas à sua filha.

Em 2010, a Hungria elegeu o primeiro-ministro de extrema direita Viktor Orbán. Nos 13 anos que se seguiram à sua eleição, ele promulgou várias políticas destinadas a restringir a igualdade LGBTQ+. Durante seu período no poder, Orbán alterou a constituição húngara para definir as famílias como “baseadas no casamento e na relação pai-filho [em que] a mãe é uma mulher e o pai um homem”.

O casamento entre pessoas do mesmo sexo no país é ilegal, e uma lei aprovada em 2020 decreta que a adoção só é permitida a casais casados, proibindo efetivamente que casais do mesmo sexo adotem crianças. 

No início deste ano, Orbán tentou introduzir uma lei inibidora que teria permitido aos cidadãos denunciar famílias LGBTQ+ às autoridades. A lei foi vetada pela presidente do país, Katalin Novák, no que foi considerado uma repreensão incomum de uma aliada ferrenha de Orbán. 

Orbán também atacou a comunidade trans. Em 2020, o país proibiu que pessoas transgêneras, não binárias e intersexuais mudassem legalmente de gênero, apagando-as efetivamente da existência. Em 2021, o governo aprovou uma lei que proíbe a discussão de tópicos LGBTQ+ nas escolas ou na mídia, para evitar que o conteúdo queer seja acessado por menores.

Os livros que retratam relacionamentos LGBTQ+ devem ser embrulhados em papel alumínio, de acordo com a legislação. Em julho, uma livraria foi multada em 12 milhões de fórnits (aproximadamente 200 mil reais) por não cobrir um exemplar da série Heartstopper de Alice Oseman.

***O texto acima é de inteira responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal S4.

Ronald Paiva

Olá, sou o Ronald Paiva, redator do S4, um canceriano sempre ligado a tudo que está acontecendo e vou trazer pra vocês notícias do Brasil e mundo.

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo

Adblock Detectado

O Portal S4 exibe anúncios para manter nosso conteúdo gratuito, ajude-nos, desligando seu bloqueador de anúncios!