Notícias

Relembre o caso Araceli

Caso que ocorreu há mais de 50 anos ainda choca pela crueldade

A menina Araceli 

Sabemos que a lei nem sempre é para todos . Todos os dias alguém sai impune dos tribunais. 

O caso de hoje é antigo , mas merece ser relembrado .

O caso Araceli

18 de Maio de 1973 às 16h10 a menina de 8 anos Araceli sai da escola São Pedro em Suá , Vitória , para pegar o ônibus rumo a sua casa .

Nunca chegou ao seu destino . Com apenas 8 anos , Araceli , uma menina bonita , alegre , boa aluna e filha amorosa , sai da escola e não retorna para sua casa .

A falta da menina

O pai de Araceli sentiu falta da filha , ela não chegou em casa depois da escola. Ele aciona a polícia .

As buscas pela menina começam . 

Testemunha

Ao sair da escola, ela foi vista por um adolescente em um bar entre o cruzamento das avenidas Ferreira Coelho e César Hilal, em Vitória, que fica a poucos minutos da escola onde a menina estudava.

Essa testemunha disse à polícia, na época, que a menina não tinha entrado no coletivo e ficou brincando com um gato no estabelecimento. Depois disso, Araceli não foi mais vista. Quando a noite chegou, o pai, Gabriel Sanchez Crespo, iniciou as buscas.

O desespero 

As buscas iniciaram e a ansiedade por encontrar a filha tomou conta da família .

Dias se passaram e nada .

Um corpo 

Depois de muitas buscas , o corpo foi encontrado.

Dias após o desaparecimento, em 24 de maio, o corpo de uma criança foi encontrado desfigurado e em avançado estado de decomposição em uma mata atrás do Hospital Infantil, em Vitória.

O reconhecimento

O pai de Araceli reconheceu o corpo como sendo da menina. No dia seguinte, ele negou, afirmando que o corpo não era o da filha desaparecida. Meses depois, após exames, foi constatado que o corpo era mesmo de Araceli.

Acusados 

Diante dos fatos apresentados pela denúncia do promotor Wolmar Bermudes, a Justiça chegou a três principais suspeitos:

-Dante de Barros Michelini (o Dantinho)

-Dante de Brito Michelini (pai de Dantinho)

-Paulo Constanteen Helal

Todos os suspeitos são membros de tradicionais e influentes famílias do Espírito Santo . 

A comoção 

O caso Araceli causou muita comoção na época . Não era comum episódios como esse acontecer na década de 70 . O fato de ser uma criança o alvo de tamanha crueldade , fez com que as pessoas começassem a levar seus filhos à escola .

Raptada , abusada e drogada , a morte de Araceli é  uma das maiores incógnitas do Espírito Santo .

Cinco décadas depois, os culpados pelo crime foram condenados, em um primeiro momento, mas libertos após revisão do caso. 

As investigações sobre o cadáver da menina foram atrapalhadas, pois grande parte das testemunhas estavam sendo ameaçadas. Ninguém queria conversar sobre o assunto. 

Versão analisada pela polícia

O que consta na versão analisada pela polícia  é que a menina teria sido raptada , levada para o bar Franciscano,na praia de Camburi.

Lá a criança teria sido estuprada e mantida em cárcere privado sob o efeito de drogas .

Como Araceli foi dopada , perdeu a consciência e entrou em coma .

Durante as investigações , testemunhas morreram .  

Em 1991 os acusados recorreram e o crime voltou à fase inicial. Em 1993 o novo juiz responsável pelo caso escreveu uma sentença de 700 páginas absolvendo os acusados por falta de provas .

50 anos se passaram 

50 anos após o crime da menina , a impunidade permanece. 

Esse caso não deve ser esquecido, tampouco,deixado somente na memória. 

A data de 18 de Maio foi escolhida em 2000 para conscientizar as pessoas referente à exploração sexual , data da morte de Araceli .

A família

A família de Araceli ,por longos anos, se recusou em falar do assunto ,mas em 2016 , o irmão da menina , Carlos Cabrera Crespo quebrou o silêncio e lembrou da dor da família após a morte da irmã .

“A gente convivia muito e eu sinto muita saudade dela. Apesar de todo esse tempo, não passa um dia que eu não penso nela. Todos os dias da minha vida eu me lembro dela”.

Carlos vive hoje no Canadá, junto com a esposa e os filhos. Quando Araceli desapareceu, ele tinha 13 anos. O irmão disse que sempre foi muito próximo da menina.

Carlos diz que a família não tinha contato , tampouco conheciam os acusados . Os pais de Araceli se separam , Gabriel Sanchez Crespo ( pai da menina ) continuou morando no bairro , dona Lola (mãe de Araceli )foi embora para Bolívia ,ambos casaram e tiveram outros filhos.

Seu Gabriel faleceu em 2001 , já dona Lola ainda está viva .

Quando uma criança morre,o Brasil fica em luto. 

***O texto acima é de inteira responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal S4.

Patricia Rosa

Sou Graduada em letras, pós-graduada em Psicologia Educacional , Supervisão escolar e bacharelanda em Jornalismo, trabalho há 7 anos lecionando na Rede Estadual de Ensino do Rio Grande Do Sul.Possuo um grupo no facebook chamado Espelho meu com artigos e pensamentos escritos por mim . Atualmente, contribuo para o Portal R4 como redatora e para a Agência Cecco.Adoro a escrita e tudo que nela há de bom.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock Detectado

O Portal S4 exibe anúncios para manter nosso conteúdo gratuito, ajude-nos, desligando seu bloqueador de anúncios!