Saúde

Efeito Ludmilla: especialista esclarece dúvidas sobre fertilização in vitro

Dr. Alessandro Schuffner fala sobre técnica bastante procurada por casais homoafetivos.

A cantora Ludmilla e sua esposa Brunna Gonçalves recentemente anunciaram a decisão de passar pelo procedimento de fertilização in vitro, uma escolha cada vez mais comum para casais que buscam expandir a família. Conversamos com o especialista em Fertilização in Vitro, Dr. Alessandro Schuffner, para compreender os detalhes desse processo.

“Essa técnica de fertilização in vitro é muito procurada por casais homoafetivos, tanto masculino quanto feminino. No caso feminino vai haver a combinação do óvulo de uma mulher com espermatozóide do doador e pode transferir para o útero dessa mesma mulher ou para o útero da parceira. Dessa forma, ela obtém a gravidez. E num casal homoafetivo masculino, pode ser combinado com o óvulo de uma doadora e transferido para o útero de uma outra mulher”, explica.

O Dr. Schuffner esclarece que a fertilização in vitro começa com o estímulo da ovulação, visando o crescimento de múltiplos folículos. Ele destaca a importância de ajustar a dose do medicamento durante o controle da ovulação, realizando várias ultrassonografias transvaginais para otimizar o crescimento multifolicular.

Dr Schfner Efeito Ludmilla: especialista esclarece dúvidas sobre fertilização in vitro
Efeito Ludmilla: especialista esclarece dúvidas sobre fertilização in vitro 1

A aspiração dos folículos ocorre sob anestesia, guiada por ultrassonografia transvaginal. Os óvulos obtidos são então analisados no laboratório de embriologia, onde se decide quais serão utilizados na formação do embrião. O especialista destaca que o esperma pode ser do parceiro ou de um doador, explicando as diferentes formas de obtenção, incluindo casos mais complexos que exigem biópsia testicular.

O processo continua com a transferência do embrião para o útero da mulher, geralmente no quinto dia. Uma vez bem sucedida a fertilização in vitro, a gravidez é considerada normal. “Ela vai continuar o pré-natal da mesma forma. E ainda mais hoje em dia, que a gente tem diminuído muito o número de embriões a serem transferidos, pela melhora da qualidade das incubadoras, dos meios de cultura, onde fica o embrião. Então, desta forma, a gente diminui a taxa de múltiplos”, explica o Dr. Schuffner.

Essas inovações na área têm sido aliadas dos especialistas, como é o caso da inteligência artificial. Schuffner menciona um software recente que utiliza essa tecnologia para classificar óvulos, proporcionando previsões mais precisas sobre a probabilidade de sucesso do tratamento.

“Esse software, que é mecanismo de inteligência artificial, ele classifica esse óvulo, não o olho humano, e baseado no número de ovos, na qualidade de cada deles, você consegue prever uma taxa de verdadeira estrutura mais precisa, mais próxima do real. A gente oferece hoje uma taxa grande baseada na classificação do olho humano, que também é muito confiável, óbvio, mas isso torna ainda mais assertivo”, conclui o Dr. Alessandro Schuffner. 

Fonte: Dr. Alessandro Schuffner – Reprodução Humana Assistida 

Contatos: www.clinicaconceber.com.br | +55 41 9943-7473

***O texto acima é de inteira responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal S4.

Fernando Azevedo

Sou formado em Ciências Contábeis pelo Centro Universitário de Votuporanga, SP (UNIFEV), e também sou um entusiasta de jornalismo, escrevendo sobre TV desde meados de 2009, quando comecei o Portal S4. Além disso, nas horas vagas, sou autor com dois livros publicados e diversos e-books disponíveis para venda na Amazon.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock Detectado

O Portal S4 exibe anúncios para manter nosso conteúdo gratuito, ajude-nos, desligando seu bloqueador de anúncios!