Política

Cid diz que Bolsonaro mandou fraudar cartões de vacina

O ex-ajudante de ordens do ex-presidente confirmou participação nas fraudes, a mando de Bolsonaro

O tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), disse que partiu do ex-chefe do Executivo a ordem para confeccionar falsos cartões de vacina contra a COVID-19. A informação foi publicada pelo site de notícias UOL, com base no depoimento de delação premiada do militar. 

Cid, em um de seus depoimentos à Polícia Federal, contou que participou do esquema de fraudes nos certificados de vacinação no sistema do Ministério de Saúde, informando que tudo aconteceu não apenas sob conhecimento de Bolsonaro, mas por ordens dele. Os comprovantes da imunização estariam no nome do presidente e no da filha dele, Laura, de 13 anos. 

Ao UOL, o advogado e ex-secretário de Comunicação  Fábio Wajngarten negou a acusação, dizendo que nem Bolsonaro nem a filha precisariam comprovar a imunização para entrar nos Estados Unidos, uma vez que “o mundo inteiro conhece a posição dele sobre as vacinas, e o visto dele, como presidente da República, não necessitava de comprovante de vacina”.

Wajngarten ainda negou publicamente a acusação em seu perfil do X, antigo Twitter. “Uma hipotética delação que está sob sigilo, que a defesa dos envolvidos não teve acesso, que mesmo assim a imprensa reporta genericamente com manchetes enormes. Não há comprovação de absolutamente nada, não há nenhum nexo. Na era do digital valem os cliques apenas”, publicou. 

Bolsonaro negou fraudes

A delação de Cid contraria o depoimento do ex-presidente, que, em maio, declarou à PF que não conhecia nem orientou fraudes em cartão de vacinação para seu uso ou de familiares. Na época, ele declarou que não se imunizou.

Ainda segundo o depoimento de Mauro Cid, ele mesmo teria providenciado os comprovantes falsos e teria entregue os documentos em mãos ao então presidente, para que usasse”caso achasse conveniente”.

Segundo o militar, os dados foram inseridos por funcionários da Prefeitura de Duque de Caxias no sistema do Ministério da Saúde em 21 de dezembro de 2022. De acordo com as investigações, o objetivo da fraude era burlar exigências de comprovação de vacinação em outros países. Em 30 de dezembro de 2022, Bolsonaro viajou com a família para os Estados Unidos, que exigia comprovante de vacinação ou a realização de teste negativo de COVID-19.

Fonte: Estado de Minas

***O texto acima é de inteira responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal S4.

Izamara

Olá muito prazer! Sou Izamara, uma pessoa apaixonada por esse ramo chamado entretenimento. Minha trajetória é marcada por diversas atuações, como Redatora e Jornalista em diversos sites. Então se você quiser ficar por dentro de tudo que envolve a cultura pop e bastidores da fama, está no lugar certo.

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo

Adblock Detectado

O Portal S4 exibe anúncios para manter nosso conteúdo gratuito, ajude-nos, desligando seu bloqueador de anúncios!